[resumo] BOTULISMO EM BOVINOS


botulismo em bovinos boi botulism cow calves cattle bovine

O botulismo em bovinos é uma doença de grande importância econômica e sanitária como causa de mortalidade de bovinos adultos no Brasil². Nesta espécie, a enfermidade está relacionada à contaminação ambiental pelos esporos do Clostridium botulinum tipos C e D e também ao manejo inadequado. A intoxicação dos animais ocorre pela ingestão da toxina pré-formada pelos esporos da bactéria. No Brasil, os surtos estão associados à deficiência de fósforo e à osteofagia, principalmente em animais criados extensivamente² ⁴ ⁶, também a alimentos contaminados e armazenados inadequadamente² ou ainda pela veiculação hídrica². O conhecimento das causas da enfermidade é de grande importância para indicar a necessidade de vacinação entre outras medidas de controle.

Embora a osteofagia seja a maior responsável por surtos de intoxicação em fêmeas na fase reprodutiva, todas as categorias podem ser acometidas quando os surtos estão associados à ingestão de alimentos e água contaminados ¹. Além disso, as características próprias do C. botulinum, ubiquitário do trato digestivo dos animais e do ambiente tornam a erradicação da doença algo impossível, fazendo com que a profilaxia seja a principal medida para o controle da enfermidade.


A vacinação dos animais de todo o rebanho, com toxoides bivalentes C e D de boa qualidade, aliada à correção da deficiência de fósforo e remoção das carcaças e/ou fontes de intoxicação das pastagens, são as principais medidas adotadas para se diminuir o risco da intoxicação ³. Em surtos naturais da doença, animais não vacinados de 6 a 24 meses de idade apresentam taxa de 96% de risco de intoxicação botulínica, e animais entre 2 e 6 meses 24%, provavelmente protegidos por anticorpos maternos ⁵.

Referências bibliográficas

1.BARROS, C.S.L.; DRIEMEIER, D.; DUTRA, I.S.; LEMOS, R.A.A. Botulismo. In: _________________ (Ed.). Doenças do sistema nervoso de bovinos no Brasil. São Paulo: Vallée, 2006. Cap.10, p.57-62.
2.DUTRA, I.S.; DOBERAINER, J.; ROSA, I.V.; SOUZA, L.A.A.; NONATO, M. Surtos de botulismo em bovinos no Brasil associados à ingestão de água contaminada. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.21, n.2, p.43-48, 2001.
3.KRIEK, N.P.J.; ODENDAAL, M.W. Botulism. In: COETZER J.A.W.;THOMSON, G.R.; TUSTIN , R.C. (Ed.). Infectious diseases of livestock with special reference to Southern Africa. 2.ed. Cape Town: Oxford University Press, 1994. 1605p.
4.RIBAS, A.I.; FERREIRA, R.M.M; MASSER, R.C.; CIANI, R.B.; DUTRA, I.S. Detecção de esporos de Clostridium botulinum em costelas de cadáveres decompostos de bovinos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 23., 1994, Olinda, PE. Anais. Olinda: Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária, 1994. p.142.
5.STEINMAN, A.; CHAFFER M.; ELAD, D.; SHPIGEL, N. Quantitative analysis of levels of serum immunoglobulin G against Botulinum neurotoxin type D and association with protection in natural outbreaks of cattle botulism. Clinical and Vaccine Immunology, v.13, n.8, p.862-868, 2006.
6.TOKARNIA, C.H.; LANGENEGGER, J.; LANGENEGGER, C.H.; CARVALHO, E.V. Botulismo em bovinos no Estado do Piauí, Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.5, p.465-472, 1970.
Tecnologia do Blogger.