Quais são os pontos de Madec? [Controle da Circovirose]

Como reduzir a taxa de mortalidade de suínos?


Apesar do uso das vacinas o controle da circovirose deve ser acompanhado da identificação e eliminação dos fatores de risco e na redução dos fatores de estresse.

Fatores complicadores para o controle da enfermidade incluem a grande resistência do agente no meio ambiente e a inexistência de tratamento específico para os suínos afetados. Os melhores resultados para a redução da mortalidade e das perdas podem ser obtidos através de mudanças de manejo baseadas nos 20 pontos do pesquisador francês François Madec.

Os 20 pontos de Madec permitem reduções de taxas de mortalidade abaixo dos 5% em creches. A observância das recomendações de Madec melhora a biossegurança da granja e reduz o potencial patogênico de outros agentes de doenças que afetam os suínos, especialmente os entéricos e os respiratórios.

Abaixo, é apresentado um check list que envolve as medidas de Madec, um resumo de medidas sugeridas por outros autores e providências adotadas com sucesso em rebanhos brasileiros. É possível e mesmo provável que muitas entre elas sejam difíceis ou mesmo impossíveis de serem usadas em todos os rebanhos. Recomenda-se, entretanto, que para melhor controle da doença seja adotado o número máximo de medidas em cada rebanho.


MATERNIDADE

  • Usar o sistema "todos dentro, todos fora" e limpar as canaletas de dejetos entre lotes.
  • Revisar e melhorar o processo de desinfecção, usando desinfetantes mais eficientes, com atividade específica frente ao circovirus.
  • Lavar as porcas e desverminar antes do parto.
  • Limitar os reagrupamentos de leitões na maternidade ao absolutamente essencial, tentar trocar leitões apenas nas primeiras 24 horas após o parto.
  • Estabelecer regras claras para as adoções: por exemplo, máximo de 20% dos leitões, considerando as ordens de parto.
  • Adotar medidas para maximizar a ingestão de colostro pelos leitões.
  • Realizar manejo cuidadoso com os leitões.
  • Adotar higiene estrita em manejos como desgaste de dentes, corte da cauda com termocautério, injeções, castração e outros.
  • Para a aplicação de injeções, usar uma agulha para cada leitegada.
  • Iniciar o fornecimento de ração pré-inicial aos 10 a 14 dias de idade.
  • Aumentar a idade e peso ao desmame. Tentar chegar a uma idade de desmame mínima de 26 dias, com peso superior a 7 kg.
  • Desmamar leitões em grupos, sem depender da idade. 
  • Desmamar todos os leitões no mesmo dia.
  • Usar material e equipamentos de limpeza independentes para cada sala.
  • Adotar um vazio sanitário mínimo de 3 dias.
  • Não transferir leitões de uma sala para outra, especialmente leitões de baixo peso ou ama de leite.
leitoes-creche-madec


CRECHES

  • Usar o sistema todos dentro, todos fora e limpar as canaletas de dejetos entre lotes.
  • Restringir ao máximo o número de origens.
  • Não vacinar na época de desmame.
  • Realizar transporte entre maternidade e creche com mínimo de estresse.
  • Usar baias ou gaiolas pequenas, com divisórias sólidas e altura mínima de 80 cm.
  • Usar preferencialmente uma baia para cada leitegada oriunda da maternidade. Caso necessário, misturar no máximo leitões de duas leitegadas.
  • Evitar misturas no desmame. Por exemplo, restringir agrupamentos por peso ou sexagem. Se necessário agrupar, misturar apenas de porcas da mesma ordem de parto.
  • Não misturar leitões durante o período de permanência nas creches. Em nenhuma circunstância trocar leitões de gaiola.
  • Diminuir a lotação para níveis iguais ou menores que 3 leitões por m² ou seja, espaço igual ou maior que 0,33 m² por leitão.
  • Aumentar o espaço de cocho para valor acima de 7cm/Leitão.
  • Dispor no mínimo um bebedouro para cada 10 leitões.
  • Usar rações de alta qualidade.
  • Realizar trocas graduais entre rações.
  • Ajustar o tipo de ração em uso, considerando os menores leitões do lote.
  • Nunca trocar ração na primeira semana após a transferência.
  • Manter os leitões nas creches por um mínimo de 4 semanas.
  • Melhorar a qualidade do ar, mantendo níveis de NH3 abaixo de 10 ppm, CO2 abaixo de 0,1% e umidade abaixo de 85%.
  • Melhorar o controle de temperatura ambiental, estabilizando-a entre 26 a 22 ° C de acordo com a idade dos leitões.
  • Separar os animais doentes, transferindo-os para uma enfermaria. Medicá-los o mais cedo possível, com antibióticos, por três dias. Caso não respondam à medicação, devem ser sacrificados.
  • Tentar realizar um fluxo de pessoal e equipamentos dos leitões mais jovens na direção dos mais velhos.
  • Realizar controle de ratos e moscas.
  • Manter um vazio sanitário mínimo de 7 dias.
  • Jamais transferir leitões de baixo peso para outra sala do lote seguinte, prática comum em granjas que comercializem os leitões considerando peso mínimo.
leitoes-creche-madec

CRESCIMENTO/ TERMINAÇÃO
  • Restringir ao máximo o número de origens.
  • Usar baias pequenas, com divisórias sólidas, mantendo, preferencialmente, o mesmo lote da baia de creche nos rebanhos de ciclo completo.
  • Usar o sistema todos dentro, todos fora e limpar as canaletas de dejetos entre lotes.
  • Não misturar leitões de diferentes lotes na chegada ou durante o período de permanência nas recrias e/ou terminações.
  • Diminuir a lotação, adotando um espaço acima de 1,0 m² por leitão.
  • Verificar se os bebedouros estão na altura correta.
  • Melhorar a qualidade do ar e o controle da temperatura ambiental.
  • Separar os animais doentes, transferindo-os para uma "enfermaria". Medicar os doentes o mais cedo possível, com antibióticos, por três dias. Caso não respondam, devem ser sacrificados.
  • Adotar um vazio sanitário mínimo de 7 dias.
terminacao-suinos-madec
OUTRAS PROVIDÊNCIAS
  • Cuidar com a origem dos animais de reposição e do sêmen.
  • Utilizar programas de quarentena/adaptação para os animais que estão sendo introduzidos no plantel. Poderá ser tentada a imunoestimulação dos animais de reposição e leitoas, através do contato com leitões doentes.
  • Manter programas de biossegurança eficientes.
  • Controlar o acesso de pássaros e de outros animais.
  • Reduzir estressores ambientais (como gases, pó, correntes de ar).
  • Racionalizar o fluxo de ar e de animais nos prédios.
  • Usar níveis adequados de vitaminas na ração das porcas. Usar antioxidantes nas rações.
  • Evitar trocas constantes de marcas de ração.
  • Manter boa higiene nos cochos.
  • Usar o sistema de desmame em lotes de 1, 2, 3 ou 4 semanas com desinfecção adequada e vazio sanitário entre eles. Essa medida, também, aumenta os índices produtivos da granja, contribuindo para melhorar a qualidade e reduzir o número de origens nas creches ou terminações.
  • A medicação com aspirina(25 ppm na água, na terminação) pode contribuir para reduzir a mortalidade após a adoção de outras medidas de manejo para o controle de casos clínicos de SMD.
  • A medicação e imunização preventiva para os agentes secundários comumente associados com a infecção com circovirus (com as infecções por Haemophilus parasuis, Salmonella sp., Streptococcus suis) é uma das medidas chave para o controle da SMD.
Referências:
Barcellos, David Emilio Santos Neves de; Sobestiansky, Jurij. Doenças dos suínos. 2. ed. Goiânia: Cânone Editorial, 2012.

Tecnologia do Blogger.