GUIA: CESÁREA EM PEQUENOS ANIMAIS

Compartilhar:

INDICAÇÃO:

A cesariana na cadela e na gata é geralmente um procedimento de emergência, pois a distocia prolongada coloca em risco as vidas da mãe e/ou neonato.
            A cirurgia pode ser planejada e realizada antes do início do trabalho de parto, se houver a ocorrência de distocias devido a presença de lesões ou anormalidades preexistentes que comprometam o canal do nascimento.
         A cirurgia é indicada quando a distocia resulta de uma inércia uterina primária, ou inércia uterina secundária decorrente de distocia de mais de 24 horas, distocia obstrutiva (feto muito grande).


ANATOMIA CIRÚRGICA:

           O útero gravídico repousa no assoalho abdominal durante a última metade da prenhez. Os cornos uterinos pesadamente gravídicos encontram-se paralelos e em contato entre si, ao contrário dos cornos divergentes no animal não –prenhe.
         Ao se fazer a incisão abdominal durante uma cirurgia cesariana, o cirurgião deve estar ciente de que o útero se encontra próximo a parede abdominal fina e distendida.
         O útero é composto de três camadas: túnica serosa (perimétrio), túnica muscular(miométrio) e túnica mucosa (endométrio). A túnica serosa é uma camada de peritônio que recobre todo o útero.
A camada muscular é composta de uma camada externa longitudinal fina e uma camada interna grossa. O miométrio mais profundo contém vasos sangüíneos, nervos e fibras musculares circulares e oblíquas. A túnica muscular é a camada de maior força tensil. A túnica mucosa é a mais grossa das três camadas.
TÉCNICA CIRÚRGICA:
        Realiza-se tricotomia na fêmea desde a cartilagem xifóide até o púbis, e prepara-se inicialmente o abdome com uma limpeza cirúrgica antes da indução da anestesia para reduzir o tempo de anestesia total.
Realizam-se a indução e a intubação em mesa de operação. Geralmente a fêmea não está em jejum antes da anestesia, portanto, deve-se intubá-la rapidamente para minimizar o risco de aspiração, pois ela deve vomitar durante a indução.
A velocidade da operação também é importante nas cirurgias cesarianas, pois o longo período “incisão – retirada” se associa com um aumento da asfixia e depressão fetais.
Após a indução da anestesia, amarram-se os membros da paciente para baixo e completa-se rapidamente a preparação cirúrgica final do abdome.
Colocam-se panos e toalhas em quatro quadrantes no abdome, desde a cartilagem xifóide até a borda pélvica, para abrir espaço para a extensão da incisão abdominal se necessário.
Faz-se uma incisão na linha média ventral começando-se no umbigo. A extensão da incisão é determinada pelo tamanho estimado do útero. As glândulas mamárias ficam freqüentemente hipertrofiadas, e o cirurgião não deve invadir o tecido mamário quando fizer a incisão cutânea.
O cirurgião deve também lembrar de que o útero se encontra aumentado e não deve ser lacerado ao se entrar na cavidade abdominal.
Uma vez terminada a incisão abdominal de extensão adequada, protegem-se as bordas do ferimento com tampões de laparotomia umedecidos com solução salina estéril.
Exterioriza-se o primeiro corno uterino e depois o segundo por meio de uma elevação cuidadosa através da incisão.

Envolvem-se as vísceras circundantes e subjacentes  com tampões de laparotomia umedecidos adicionais , para impedir a contaminação abdominal com fluído fetal.
Faz-se então uma pequena incisão com um bisturi em uma área relativamente
avascular na face ventral ou dorsal do corpo uterino, deve-se ter cuidado em não lacerar inadivertidamente um feto com bisturi. Estende-se então a incisão uterina com uma tesoura até um comprimento suficiente para remoção dos fetos.

No caso de uma distocia deve-se remover primeiro o feto que encontra-se parado no corpo uterino. Traz-se cada feto a incisão através de uma compressão suave do corno uterino. Isso é feito espremendo-se o corno cranialmente ao aumento de volume. Uma vez que o feto encontre-se perto da incisão pode-se segurá-lo e aplicar uma tração suave para facilitar uma remoção rápida a partir do útero. Á medida que se remove cada feto, rompe-se o saco aminiótico para permitir que se inicie a respiração.


Deve-se remover os fluídos fetais do campo operatório por meio de sucção para minimizar a contaminação. Pinçam-se então os vasos umbilicais e rompem-se os mesmos aproximadamente  2 a 3 cm da parede abdominal fetal.
Remove-se então lentamente a placenta associada a partir do endométrio por meio de uma tração suave para minimizar a hemorragia.
Repete-se esse procedimento até a retirada de todos os fetos. Caso encontre dificuldade em mobilizar os fetos para baixo, pode-se realizar incisões adicionais nos cornos uterinos.
Antes do fechamento palpa-se o útero a partir do canal pélvico até os ovários para se certificar de que todos os fetos e placentas tenham sido removidos.

Uma vez que se tenham removido todos os fetos, o útero começa a se contrair rapidamente, essa contração é importante no cessamento da hemorragia. Se o útero não iniciar a contração no momento do fechamento, pode-se administrar ocitocina (1a 2 unidades / Kg IM ou EV) ou maleato de ergonovina (0,02 a 0,1 mg/Kg IM).
         O útero pode ser suturado com fio absorvível, utilizando-se agulhas sem corte. Aproximam-se cuidadosamente as bordas da incisão uterina com padrão de Cushing contínuo, inversor e de camada dupla, seguido por uma sobressutura de Lembert contínua.

Antes de retornar o útero ao abdome, deve-se inspecionar o fechamento e lavar o útero com uma solução salina estéril amornada. Se ocorrer uma contaminação abdominal durante a manipulação cirúrgica, deve-se lavar o abdome com solução salina estéril amornada.
Recoloca-se o omento sobre o útero e as outras vísceras abdominais antes do fechamento abdminal.
Fecha-se a linha Alba com suturas interrompidas simples de um material de sutura absorvível de tamanho apropriado. Também pode se utilizar material de sutura não absorvível para fechar a linha Alba. Fecha-se o tecido subcutâneo com fio de sutura absorvível 3-0 ou 2-0, e a pele com fio não absorvível.

VEJA MAIS MATERIAIS SOBRE CIRURGIA VETERINÁRIA

Créditos: Maria Carolina Guido
Envie mensagem a mcguido@mcguido.vet.br com perguntas ou comentários.
Copyright © 2003 Maria Carolina Guido
Nome

Agronegócio,1,Anatomia,56,Anestesiologia,31,Animais Silvestres,20,Apicultura,1,Apostilas,164,Aprenda Inglês,4,Artigos,9,Atlas,15,Aves,8,Bem estar animal,13,Biologia,1,Biologia Celular,3,Bioquímica,9,Bovinos,34,Bubalinos,3,Bulário,1,Cães,25,Cartão de vacinação,6,Cirurgia,25,Citologia,2,Clínica,55,Compêndio,4,Concursos,3,Construções rurais,1,Corte,5,Cunicultura,2,Cursos,1,Dermatologia,13,DESIGN VET,6,DESTAQUES,11,Diagnóstico por Imagem,4,Dicas,8,Dicionário,3,Direto ao Ponto,3,Diversos,12,Doenças,10,eBooks,137,Endocrinologia,1,Epidemiologia,5,Equinos,33,Etologia,1,farmacologia,14,Felinos,10,Fisiologia,14,Forragicultura,2,GALERIA ANIMAL,14,Gatos,14,Grandes Animais,2,Guias,2,Handout,2,histologia,1,Imunologia,9,Infecciosas,3,IPOA,1,Leite,13,Manejo Sanitário,3,Melhoramento Genético,5,Microbiologia,3,Neurologia,1,Notícias,6,Nutrição Animal,20,Nutrologia,2,Nymeria Tv,4,Odontologia Equina,1,Oftalmologia,4,Ovinos e Caprinos,7,Parasitologia,24,Patologia Clínica,9,Patologia Veterinária,16,Pequenos Animais,1,Piscicultura,4,Protocolo de Conduta,8,Radiologia,2,Reprodução,21,Resumos,2,Revisão Bibliográfica,21,Revistas,5,Ruminantes,9,Saúde Publica,9,Semiologia,12,Slides,2,Suinocultura,16,Suínos,15,Suturas,1,TCC,2,Terapêutica,6,TICKET,1,Toxicologia,1,TPOA,5,Veterinária,75,VIDEOAULAS,35,vídeos,33,Virologia,1,Zoonoses,5,Zootecnia,15,
ltr
item
Vetarq: GUIA: CESÁREA EM PEQUENOS ANIMAIS
GUIA: CESÁREA EM PEQUENOS ANIMAIS
cesarea em cadela, cesarea em gata, cesarea em pequenos animais, cirurgia cesariana
https://3.bp.blogspot.com/-keZxMM2WYok/Uxqb6HiecMI/AAAAAAAACR8/pHRo3NFftZs/s1600/cesrip1.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-keZxMM2WYok/Uxqb6HiecMI/AAAAAAAACR8/pHRo3NFftZs/s72-c/cesrip1.jpg
Vetarq
https://www.vetarq.com.br/2014/03/cesarea-em-pequenos-animais.html
https://www.vetarq.com.br/
https://www.vetarq.com.br/
https://www.vetarq.com.br/2014/03/cesarea-em-pequenos-animais.html
true
3520445462717506664
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Ver mais Reply Cancel reply Delete Por Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Voltar para Página Inicial Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content