Transfusão Sanguínea de Pequenos e Grandes Animais

Compartilhar:


-Conceitos:
            -Transfusão: é uma prática médica que consiste na transferência de sangue ou de um componente sanguíneo de um animal (o doador) para outro animal (o receptor);
            -Autotransfusão: sangue do mesmo indivíduo é reintroduzido no corpo;
            -Transfusão homóloga: transfusão entre indivíduos da mesma espécie;
            -Transfusão heteróloga: transfusão entre indivíduos de espécies distintas;
            -Hemocomponentes: todos os componentes do sangue;
            -Hemoderivados: componentes do sangue após algum processamento (Ex.: plasma, PRP, papa de hemácias);
            -Aférese: filtração sanguínea para remoção de alguns elementos (Ex.: células tronco hemtopoiéticas);
            -Hemodiálise: filtração sanguínea para a remoção de produtos tóxicos;
Indicações para a Transfusão:
            -Casos de hemorragia, anemias não-regenerativas, alteração de coagulação, choque hemorrágico, anemia hemolítica não autoimune, trombocitopenia, enfermidades hepáticas, hipoproteínemia e VG (hematócrito) abaixo de 25%.
-Grupos Sanguíneos
            1-Caninos: 8 tipos sanguíneos. AEC (Antígeno Eritrocitário Canino)
AEC1.1, AEC1.2, AEC3, AEC4, AEC5, AEC6, AEC7 e AEC8
*Os tipos sanguíneos que têm maior potencial de causar reações transfusionais são o AEC1.1, AEC1.2 e AEC7.
            2­-Felinos: apenas 3 tipos sanguíneos
A (73%), B (26%) e AB (1%)
*Diferente dos cães, possuem anticorpos naturais, sendo estes responsáveis por reações transfusionais hemolíticas. Assim, a tipificação sanguínea e/ou a prova de reação cruzada são procedimentos indispensáveis para assegurar a compatibilidade nestes animais.
            3-Eqüinos: dotado de 7 sistemas (A, C, D, K, P, Q e U) cada um possuindo vários subgrupos, o que resulta em mais de 400.000 possibilidades de tipos sanguíneos diferentes.
*Apenas os antígenos Aa e Qa são potencialmente imunogênicos. Um doador deve, portanto, não ser apenas negativo para estes antígenos, como também não possuir anticorpos contra estes (não ter sido sensibilizado).
            4-Bovinos: 11 grupos sanguíneos.
A, B, C, F, J, L, M, S, R, T, Z
*B e J são os que apresentam maior importância clínica. O grupo B é extremamente complexo, tornando a compatibilidade entre transfusão muito difícil. O antígeno J é um lipídeo que é encontrado nos líquidos corporais e é adsorvido pelo eritrócito, ou seja, não é realmente um antígeno eritrocitário
*Porém os bovinos como outros ruminantes, não possuem ou têm poucas hemolisinas circulantes naturalmente e, portanto, uma primeira transfusão pode ser realizada com riscos menores de ocorrerem reações adversas fatais.
            5-Ovinos: 7 sistemas de grupos sangüíneos são reconhecidos.
A, B, C, D, M, R e X
*O sistema B nestes animais é análogo ao sistema B dos bovinos, e o sistema R é similar ao sistema J dos bovinos (os antígenos são solúveis e possivelmente adsorvidos ao eritrócito).
            6-Caprinos: 5 grupos sanguíneos
A, B, C, M e J
*são muito similares aos dos ovinos. Muitos reagentes utilizados para a tipagem de ovinos têm sido utilizados para a tipagem de caprinos.
            7-Suínos: 16 sistemas de grupos sangüíneos são reconhecidos
A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, O e P
-Provas de Compatibilidade:
            1-Tipificação sanguínea;

            2-Prova de Jambreau (prova cruzada): necessita sangue do receptor e do doador.
*Deve ser obrigatoriamente realizada em pacientes a partir da segunda transfusão.
            -Há 2 tipos de reação cruzada, a maior e a menor. Na reação maior, cruzam-se hemácias do doador com plasma do receptor para verificar a presença de anticorpos no receptor contra as hemácias do doador. É a prova mais importante, devendo ser sempre compatível. Na prova menor, cruzam-se hemácias do receptor com o plasma do doador para verificar a existência de anticorpos no plasma do doador contra as hemácias do receptor.
-A transfusão de sangue para o qual a reação cruzada foi negativa, não previne sensibilização do receptor ou riscos de reações transfusionais neste.
-Apenas testa a presença de anticorpos contra hemácias, não detectando anticorpos contra leucócitos ou plaquetas.
-A incompatibilidade manifesta-se por hemólise ou aglutinação, sendo que, na ausência de incompatibilidade macroscópica, esta deve ser confirmada microscopicamente com relação à aglutinação.


 
            3-Prova do Volume-Teste:
                        -Administrar no máximo:
                                    -10ml: em felinos;
                                    -20ml: em caninos;
                                    -50ml: em eqüinos;
                                    -250ml: em bovinos;
                        -Monitorar entre 30 minutos e 1 hora, para verificar incompatibilidade.

-Doador Ideal:
            -Caninos: no mínimo 25kg de peso corporal
            -Felinos: no mínimo 4,5kg de peso corporal
            -Grandes animais: no mínimo 400-500kg de peso corporal
-Recomendações:
            -Volemia: 10% PV (para pequenos animais) e 8% PV (para grandes animais)
            -Volume Doado: 20% da volemia
            -Intervalo entre Doações: um mínimo de 30 dias
-Material Necessário:
            -Bolsas ou reservatório à vácuo, equipo de colheita, agulhas ou cateter, seringas, torneira de 3 vias, anticoagulante e tricótomo.
-Dosagem de Lactato;
            -Importante para verificar a oxigenação tecidual.
            -Alta concentração de lactato no sangue sugere baixa oxigenação tecidual.
-Volume de Sangue para Transfusão:
        Volume (em litros) = peso x fator* x (Ht pretendido – Ht receptor)
                                                                        Ht doador
*Fator:
            -Cães: 0,09
            -Gatos: 0,07
            -Grandes animais: 0,08
            -Potros recém-nascidos: 0,15
*Deve evitar fazer a transfusão e hidratação no mesmo acesso venoso, para evitar a formação de CaCO3.
-Reações Transfusionais:
            -Hemólise;
            -Sensibilização;
            -Reações imunomediadas;
            -Eritroblastose;
            -Sinais Clínicos: taquipnéia, taquicardia, taquisfigmia, dispnéia, ptialismo, êmese, prostação, urticária, paresia transitória, choque e morte.
            -Tratamento:
                        -Suspensão da transfusão;
                        -Fluidoterapia;
                        -Administração de corticosteróides (animais pequeno porte 4mg/kg de prednisolona)
                        -Administração de vasopressoers (animais de pequeno porte: difenidramina 1 a 2mg/kg e animais de grande porte: epinefrina 0,01 a 0,02ml/kg de solução 1:1000 IM,SC).
                        -Monitoração;
                        -Administração de heparina (75UI/kg SC – 6h/6h) em casos de hemólise intensa;

Referências Bibliográficas:

ANDRADE, Silvia Franco. Manual de Terapêutica Veterinária. 2 ed. São Paulo: Roca, 2002.

SPINOSA, Helenice de Souza, et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

Créditos: veterinariandocs

Nome

Agronegócio,1,Anatomia,56,Anestesiologia,31,Animais Silvestres,20,Apicultura,1,Apostilas,164,Aprenda Inglês,4,Artigos,9,Atlas,15,Aves,8,Bem estar animal,13,Biologia,1,Biologia Celular,3,Bioquímica,9,Bovinos,34,Bubalinos,3,Bulário,1,Cães,25,Cartão de vacinação,6,Cirurgia,25,Citologia,2,Clínica,55,Compêndio,4,Concursos,3,Construções rurais,1,Corte,5,Cunicultura,2,Cursos,1,Dermatologia,13,DESIGN VET,6,DESTAQUES,11,Diagnóstico por Imagem,4,Dicas,8,Dicionário,3,Direto ao Ponto,3,Diversos,12,Doenças,10,eBooks,137,Endocrinologia,1,Epidemiologia,5,Equinos,33,Etologia,1,farmacologia,14,Felinos,10,Fisiologia,14,Forragicultura,2,GALERIA ANIMAL,14,Gatos,14,Grandes Animais,2,Guias,2,Handout,2,histologia,1,Imunologia,9,Infecciosas,3,IPOA,1,Leite,13,Manejo Sanitário,3,Melhoramento Genético,5,Microbiologia,3,Neurologia,1,Notícias,6,Nutrição Animal,20,Nutrologia,2,Nymeria Tv,4,Odontologia Equina,1,Oftalmologia,4,Ovinos e Caprinos,7,Parasitologia,24,Patologia Clínica,9,Patologia Veterinária,16,Pequenos Animais,1,Piscicultura,4,Protocolo de Conduta,8,Radiologia,2,Reprodução,21,Resumos,2,Revisão Bibliográfica,21,Revistas,5,Ruminantes,9,Saúde Publica,9,Semiologia,12,Slides,2,Suinocultura,16,Suínos,15,Suturas,1,TCC,2,Terapêutica,6,TICKET,1,Toxicologia,1,TPOA,5,Veterinária,75,VIDEOAULAS,35,vídeos,33,Virologia,1,Zoonoses,5,Zootecnia,15,
ltr
item
Vetarq: Transfusão Sanguínea de Pequenos e Grandes Animais
Transfusão Sanguínea de Pequenos e Grandes Animais
Artigo sobre Transfusão Sanguínea de Pequenos e Grandes Animais
https://2.bp.blogspot.com/-DumwkUYOQN4/VLqm-h8BebI/AAAAAAAACgA/mL6aKXmyJjA/s1600/Captura%2Bde%2BTela%2B2015-01-17%2Ba%CC%80s%2B14.16.03.png
https://2.bp.blogspot.com/-DumwkUYOQN4/VLqm-h8BebI/AAAAAAAACgA/mL6aKXmyJjA/s72-c/Captura%2Bde%2BTela%2B2015-01-17%2Ba%CC%80s%2B14.16.03.png
Vetarq
https://www.vetarq.com.br/2015/01/transfusao-sanguinea-de-pequenos-e.html
https://www.vetarq.com.br/
https://www.vetarq.com.br/
https://www.vetarq.com.br/2015/01/transfusao-sanguinea-de-pequenos-e.html
true
3520445462717506664
UTF-8
Loaded All Posts Not found any posts VIEW ALL Ver mais Reply Cancel reply Delete Por Home PAGES POSTS View All RECOMMENDED FOR YOU LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Voltar para Página Inicial Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content