[PDF] CUIDADOS BÁSICOS COM A GESTANTE E O NEONATO FELINO


RESUMO  A neonatologia e a obstetrícia veterinária são áreas que vêm crescendo consideravelmente, uma vez que os tutores e criadores estão cada vez mais empenhados em proporcionar assistência profissional para os seus animais. É necessário um conhecimento específico dessas especialidades para que haja uma redução nas altas taxas de mortalidade neonatal e para que o profissional saiba fornecer um suporte adequado durante o pré-natal e a fase neonatal, desse modo garantindo a saúde e desenvolvimento das ninhadas. Esta revisão tem como objetivo destacar os principais problemas encontrados nessas fases e os cuidados necessários para solucioná-los ou evitá-los. Palavras chave: Obstetrícia. Reprodução. Pré-natal. Neonatal. Gatos. 1. INTRODUÇÃO Estudos sobre neonatos vêm despertando grande interesse em diversos médicos veterinários, principalmente naqueles que trabalham em gatis. As estatísticas indicam que até 30% dos filhotes podem morrer antes mesmo do desmame, e essa taxa pode elevar até a puberdade. Além disso, a neonatologia tem ficado mais distante dos clínicos pela ausência de contato com a especialidade na área (CHAVES, 2011). Um cuidado pré-natal específico e o acompanhamento da gestante estão intimamente ligados com o nascimento de filhotes hígidos e por consequência, com a redução da mortalidade neonatal (PRATS, 2005). A vulnerabilidade fisiológica do neonato associada ao manejo nutricional inapropriado, além de traumas, quantidade de filhotes por parto, obesidade, variação da produção láctea, negligências maternas e partos distócicos (intervenções obstétricas e cesarianas), bem como causas atípicas, como o canibalismo, determinam uma taxa de mortalidade neonatal alta nas primeiras semanas de vida (KUSTRITZ, 2004).  59  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 Considerando a importância que os cuidados pré-natais e neonatais têm para o nascimento de animais saudáveis, a presente revisão aborda as necessidades básicas para que o médico veterinário e o proprietário consigam evitar falhas na prenhes, no parto, na saúde da gata e dos neonatos.  2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O termo neonatologia é definido como a ciência responsável pelo estudo referente aos recém-nascidos (FREITAS e SILVA, 2008). Este período na literatura não é apresentado com uma definição clara (DOMINGOS et al., 2008). Segundo Prats (2005), o termo neonato estende-se do nascimento até a segunda semana de vida no cão e até o décimo dia ou o momento da abertura dos olhos para os gatos. Para Hoskins (1997), este período abrange a primeira e segunda semana de vida destas espécies.  2.1 Cuidados com a gestante Para a definição de uma estratégia sanitária eficiente, planejamento de manejo clínico e alimentar apropriado para fêmea gestante é de suma importância o diagnóstico precoce da gestação (FREITAS e SILVA, 2008). Pode-se confirmar a gestação por palpação abdominal, ultrassonografia ou radiografia (NELSON e COUTO, 2015). Na palpação abdominal é possível sentir facilmente uma serie de engrossamentos uterinos discretos, firmes e esféricos entre 17-25 dias de gestação. Pode-se usar o ultrassom para detectar a gestação em um momento precoce como do dia 11-15, e é possível observar os batimentos cardíacos a partir do dia 22-24. As radiografias depois de 45 dias raramente serão responsáveis por resultados inconclusivos (VERSTEGEN, 2000; NELSON e FELDMAN, 2004; FELDMAN, 2009).  Diferente da gestação na mulher, em que é usado teste sanguíneo para detectar o Beta- HCG (Gonadotrofina Coriônica Humana), não há teste sanguíneo que confirme a gestação na  gata. Porém, a relaxina, hormônio produzido pelo feto e placenta juntos, tem seus níveis elevados durante a gestação (LITTLE, 2009). A gestação na gata varia de 60 a 68 dias, tendo como média 65 e 66 dias. Há relatos de gestação com períodos de 52 e 71 dias, no entanto os animais nascidos antes de 60 dias de gestação devem ser considerados prematuros e com frequência são acompanhados por uma taxa maior de natimortos e de morte neonatal (BEAVER, 2005).  60  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 O período gestacional é uma fase determinante para o neonato, é o momento em que os erros nutricionais, tratamentos inadequados e quaisquer doenças podem determinar reabsorções embrionárias, abortos ou natimortos e altas taxas de mortalidade neonatais. Para que isso seja evitado, é necessário que o veterinário responsável, antes mesmo da gestação da gata, realize uma anamnese adequada, visando investigar se a genética é apropriada, realizar imunização adequada, bem como controle parasitário (DOMINGOS et al., 2008).  2.1.1 Manejos nutricional As necessidades nutricionais das gestantes são distintas de uma fêmea em condições normais, e o período adequado para mudança de manejo nutricional é diferente em cada espécie. A nutrição deve ser adequadamente manejada para manter as condições fisiológicas da gestante, prevenindo a obesidade. A dieta preconizada durante a gestação e a lactação deve conter níveis ajustados de proteína, energia, lipídios, vitaminas e minerais, proporcionando a manutenção corporal da gestante, assim como o nascimento de animais sadios (DOMINGOS et al., 2008). O déficit nutricional, principalmente em casos específicos como na deficiência de vitamina A, iodo, selênio e biotina, pode predispor as fêmeas gestante a abortos (NASCIMENTO e SANTOS, 2011). Durante o início da gestação o desenvolvimento fetal parece não exigir grande demanda nutricional da mãe, porém nesse estágio é de grande importância manter a fêmea em boa condição física. O ideal para manutenção dos demais estágios da gestação seria o aumento de todos os nutrientes da dieta diária em torno de 25% a 35% acima da quantidade recomendada para um animal adulto (PRESTES e LANDIM-ALVARENGA, 2006).  O ganho de peso em gatas aparenta ser linear desde a concepção até o parto, iniciando- se em torno da segunda semana após a fecundação. Ademais, as gatas perdem 40% do peso  no momento do parto. Os 60% restantes são para manter e gerar a lactação. Em vista disso, a gata, por meio dessa quantidade extra de depósito energético acumulada durante a gestação, é capaz de se organizar para as excessivas necessidades do aleitamento (DOMINGOS et al., 2008). É importante para reprodução normal o consumo de água. A ampliação de compartimentos de fluidos extracelulares e tecidos maternais e fetais durante a gestação aumenta a exigência hídrica. A água é principalmente importante para a produção de leite  61  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 durante a lactação. A necessidade de água pelas lactantes pode variar de acordo com as necessidades de manutenção, tipo de alimento (úmido versus seco) e a média de produção de leite (GROSS et al., 2010).  2.1.2 Medicamentos contra-indiciados na fase gestacional O uso de medicamentos em uma gestante ou lactante deve ser cuidadosamente ponderado devido aos riscos. Muitas drogas podem ser prejudiciais para um feto em crescimento, principalmente no início da gestação quando o sistema límbico está se formando e a organogênese está ocorrendo, portanto os riscos não devem ser subestimados (WIEBE e HOWARD, 2009). Muitos medicamentos foram submetidos aos estudos quanto ao risco teratogênico para seres humanos. O órgão FDA (Food and drug administration) classifica os medicamentos que podem ou não serem usados durante a gestação, baseado em vários fatores. Apesar da extrapolação de dados a partir dessas categorias nas espécies caninas e felinas serem um pouco limitadas, o quadro fornece uma base de como as categorias de medicamentos devem ser contra-indiciados na maioria das espécies por causa de efeitos fetotóxicos diretos (WIEBE e HOWARD, 2009). Quadro 1: Classificações dos medicamentos seguros durante a gestação pela Food and Drug Administration (FDA). Categoria do medicamento  Uso em animais gestantes  Categoria A Estudos controlados em animais e seres humanos não conseguem demonstrar um risco para o feto no primeiro trimestre; dano fetal é remoto Exemplos: levothyroid, tireóide  Categoria B Estudos de reprodução animal não demonstraram risco fetal, ou estudos de reprodução em animais mostraram um efeito adverso não confirmado em estudos controlados em humanos. Exemplos: cimetidina, aciclovir, ciproheptadina, desmopressina, difenidramina, dolasetrona, enoxoparina, famotidina, glycopyrolate, insulina, ketamina, iansoprazol, lidocaína, metoclopramida, naloxona, ondansetrona, pantoprazol, propofol, ranitidina, sulcrafato, valaciclovir  62  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 Categoria C Os estudos em animais revelaram efeitos adversos e não existem estudos controlados humanos, ou não há estudos (animal ou humano) disponíveis. Exemplos: acetazolamida, amantidina, angiotensina, inibidores da enzima conversora, aspirina, atropina, baclofen, bismuto, subsalicilato, buprenorfina, butorfanol, bloqueadores dos canais de cálcio, hidrato de cloral, clorafenicol, cisaprida, clomipramina, ciclosporina cadeína, corticotropina, digoxina, difenoxilato, echinacea, edrofonio, fentanil, fluoxetina, furosamida, gabapentina, guaifenesina, heparina, hidroxizina, interferon, manitol, mexeletina, nonsteriodal, antiinflamatórios (primeiro trimestre), omeprazol, fenilpropanolamina, prednisona, proclorperazina, prednisolona, prometazina, fisistigmina, espironolactona, sulfetanil, sulfonamidas, rifampicina, teofilina e tramadol.  Categoria D Há evidências positivas de risco fetal em humanos e animais, mas os benefícios podem ser aceitáveis, se necessário em caso de risco de vida ou doenças graves. Exemplos: aminoglicosideos, esteroides, anabolizantes, androgênios, brometo calcitrol, citostáticos, diazepam, epogen, iodo, meprobamato, metimazol, midazolan, antiinflamatórios não esteroides (segundo para terceiro trimestre), pentobarbital, fenobarbital, de iodeto de potássio, iodo povidine, tetraciclinas.  Categoria X Estudos em animais ou humanos demonstraram anormalidades fetais ou há evidências de risco fetal baseada em experiências em humanos. Riscos superam os benefícios. Contra-indicado durante a gestação ou durante a reprodução de animais. Exemplos: ergotamina, estradiol, isotretinoína, leuprolide, mosoprostol, iodeto de sódio. Fonte :( WIEBE, J.B.; HOWARD, J.P., 2009).  2.1.3 Parto O parto eutócico em gatas é dividido em três estágios, sendo que o primeiro estágio é caracterizado pelo comportamento de preparação de ninho, tremores, inquietação e anorexia. Nesse período a cérvix se dilata e a contração uterina aumenta em frequência, força e duração. Nesse estágio, com duração de seis a doze horas, ocorre à queda da temperatura e dos níveis de progesterona (DOMINGOS et al., 2008). O segundo estágio, geralmente, é finalizado de três a seis horas e é evidenciado por contrações abdominais, passagem do fluído amniótico e parição de um dos filhotes. A temperatura retal volta ao normal. Frequentemente o intervalo entre a parição do primeiro filhote e dos subsequentes é menor que sete horas (DOMINGOS et al., 2008). O terceiro estágio é notado pela expulsão da placenta, frequentemente eliminada de cinco a quinze minutos após o nascimento de cada neonato. É nesse estágio que a fêmea limpa o neonato  63  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 logo após retirar as membranas amnióticas, rompe o cordão umbilical e alimenta-se da placenta (DOMINGOS et al., 2008). Na clínica veterinária de pequenos animais a ocorrência de distocias é frequente. Estão dentre os procedimentos de tratamento a manipulação obstétrica, a indução medicamentosa e a cirurgia cesariana. A sociedade tem buscado cada vez mais por raças puras, porém muitas delas têm dificuldades específicas para um parto bem sucedido. O bem estar e a sobrevivência da mãe e dos filhotes dependerão da pronta assistência clínica, seja por meio de manipulação, medicação ou cirurgia cesariana (BIANCHI et al., 2009).  2.2 Cuidados com o neonato 2.2.1 Fisiologias do neonato Os neonatos, nos primeiros dias de vida, passam boa parte do tempo dormindo (FEITOSA; CIARLINI, 2000), e costumam ficar próximos da mãe e dos irmãos para conservar a temperatura. Nessa fase 95% do sono é paradoxal, portanto é acompanhada de movimentos, tremores e, ocasionalmente, vocalização, que é bem característica da primeira semana de vida. Na segunda semana o sono é mais tranquilo (DOMINGOS et al., 2008). 2.2.2 Cuidados ao nascer A transição de um ambiente líquido, fechado e com temperatura estável para outro seco, aberto e de temperatura inconstante, exerce grande influência sobre o organismo do filhote. O nascimento irá forçá-lo, ainda que nas melhores situações, a experimentar mudanças circulatórias, respiratórias, metabólicas e imunológicas. Nesse período, a imaturidade de várias vias fisiológicas associada à quebra das barreiras físicas, químicas e microbiológicas representadas pelo ambiente uterino em período gestacional, faz do neonato uma categoria frágil e dependente de cuidados (PRATS, 2005; DOMINGOS et al., 2008). A abordagem emergencial do neonato é distinta do paciente adulto em estado crítico por conta de suas peculiaridades. Devido ao tamanho pequeno do recém-nascido, rápidas mudanças dos parâmetros e complexidade de monitoração, a reanimação nesse paciente é de maior dificuldade para o veterinário. A reanimação começa pela desobstrução das vias aéreas, compressão suave do tórax para estimular a ventilação e fornecimento de oxigênio por máscara, cateter nasal ou incubadora. Em casos de apnéia é recomendada a administração sublingual de doxapram a 20 mg/mL, para estimular a respiração (CRESPILHO et al., 2007).  64  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 O tratamento de bradicardia pode ser realizado com atropina na dose de 0,03 mg/kg (DOMINGOS et al., 2008). Entretanto, há controvérsias quanto ao seu uso, pois o aumento da frequência cardíaca estimulado pelo anticolinérgico pode ocasionar efeitos adversos, como exacerbação da hipóxia do miocárdio. Ainda que aumente os riscos de hipertensão, o fármaco de eleição para os casos de parada cardíaca em filhotes é a epinefrina na dose de 0,2 mg/kg (CRESPILHO et al., 2007). A hipoglicemia é desenvolvida com facilidade por neonatos e filhotes, devido a uma alta taxa metabólica e baixa reserva de glicogênio hepático (LAREDO, 2009). Oxigenoterapia através de máscara pequena e esfregar o tórax do neonato gentilmente aplicando pressão positiva são métodos eficientes para estimular a ventilação do neonato. Deve ser feita uma intervenção similar para reanimação de neonatos nascidos de cesariana ou de parto normal caso a mãe falhe em estimular a respiração, dentro de um minuto após o nascimento o neonato deve apresentar vocalização e movimento (DAVIDSON, 2003). Para a manutenção da temperatura pode ser utilizado um termômetro fixo no interior da caixa de maternidade, adotar o uso de incubadora, cobertura elétrica do chão, garrafas com água quente e/ou lâmpadas. Assim como a queda da temperatura é danosa ao neonato, o aumento excessivo pode causar sérios problemas respiratórios. A acomodação do filhote deve ser construída de material confortável, como acolchoados descartáveis, tecido de lã ou de algodão, de modo que não causem lesões nos filhotes. Além disso, o tamanho da cama deve ser proporcional ao ritmo de crescimento dos filhotes (DOMINGOS et al., 2009). 2.2.3 Amamentação Para proteção imunológica do neonato o colostro é um líquido fundamental, apresentando em sua composição alta taxa de imunoglobulinas, especialmente IgA, interleucinas, lisozimas, lipídeos, entre outras substâncias. A amamentação feita em seguida do parto tem fundamental importância para os neonatos, pois além de ajudar a eliminar o mecônio, tem como função a imunização natural, na qual a mãe passa para o recém-nascido anticorpos relacionados aos antígenos com os quais já entrou em contato, protegendo-o de futuras enfermidades (VIANNA et al., 2012). O período em que o conduto gastrintestinal é permeável às imunoglobulinas intactas do colostro é muito curto, ocorrendo por até 24 horas após o nascimento (TIZARD, 2008; DOMINGOS et al., 2009; COLVILLE e BASSERT, 2010).  65  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 Além dos benefícios nutricionais e imunológicos do colostro, presumiu-se que o volume de líquido ingerido logo após o nascimento contribui de maneira significativa para o volume circulatório pós-natal. Da mesma maneira como em muitas espécies de mamíferos, o leite das gatas muda no decorrer da lactação para suprir, de maneira eficiente, as necessidades dos filhotes em desenvolvimento (DOMINGOS et al., 2009).  2.2.4 Prevenção das doenças mais frequentes A isoeritrólise neonatal (IN) é uma afecção hemolítica que ocorre em neonatos, mais comumente em felinos e equinos, e é uma das causas da “síndrome do gatinho debilitado” (DAY; KOHN 2012). Esta síndrome engloba as causas infeciosas e não infeciosas de morte neonatal, considerado o período desde o nascimento até ao desmame. Os sinais mais frequentes são fraqueza, icterícia, pigmentúria e morte súbita (BARFIELD; ADAMANTOS 2011). A IN e a hereditariedade dos grupos sanguíneos são identificadas por criadores de gatos, sendo frequente a tipificação dos gatos de criação de forma a poderem calcular o risco de isoeritrólise neonatal nos cruzamentos (DAY e KOHN 2012; BARFIELD e ADAMANTOS 2011). Os recém-nascidos, que apresentam tipo sanguíneo tipo A ou AB, correm o risco de sofrerem hemólise se a mãe apresentar tipo sanguíneo B, pois os anticorpos anti-A ingeridos no colostro apresentam características hemolisantes. Isso não acontece no útero devido à placenta dos gatos serem do tipo endoteliocorial, sendo assim, impermeável à passagem de imunoglobulinas. Entretanto, posteriormente a ingestão do colostro, ocorre à absorção passiva de proteínas, dentre estas proteínas estão os anticorpos anti-A. Geralmente isso ocorre nas primeiras 12 a 24 horas de vida e, esta destruição em massa dos eritrócitos pode ser muitas vezes fatal (LITTLE, 2012). Os filhotes acometidos são saudáveis e ativos e, após ingerir o colostro da mãe, apresentam hemoglobinúria, fraqueza, icterícia, anorexia, dispnéia, necrose de ponta de cauda (BARFIELD e ADAMANTOS, 2011). Os filhotes frequentemente morrem na primeira semana de vida, diversas vezes antes de apresentar qualquer sintomatologia. Sintomas secundários ocasionados pela oxigenação insuficiente também podem estar presentes, como mucosas pálidas, taquicardia e taquipnéia. O diagnóstico em geral é concluído após a tipagem sanguínea do filhote e da mãe (SILVESTRE-FERREIRA e PASTOR, 2010). Devido à gravidade, geralmente o tratamento não tem sucesso. O neonato deve ser separado da mãe nas primeiras 24 horas de vida e ter sua temperatura corporal acompanhada  66  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 atenciosamente para evitar hipotermia. A transfusão de sangue pode ser necessária e deve ser feita com cateter intraósseo. Para essa afecção a prevenção tem maior eficácia do que o tratamento, sendo que a tipagem sanguínea de reprodutores de raças com maior probabilidade de apresentar tipo B pode evitar acasalamentos que podem acarretar a isoeritrólise neonatal (LITTLE, 2012). A tipagem sanguínea é sempre essencial no caso de gatis, devido a algumas raças terem maior prevalência de um tipo sanguíneo. Nas raças Abissínio, Birmanese, Himalaio, Persa, ScottishFold e Somali, de 15% a 30% dos gatos são tipo B. E nas raças British Shorthair e DevonRex mais de 30% dos gatos apresentam o tipo sanguíneo B (NELSON; COUTO, 2010). É uma doença rara, contudo quando ocorre, geralmente é fatal (SILVESTRE-FERREIRA e PASTOR, 2010). Das doenças infecciosas bacterianas, a sepse é, provavelmente, a infecção mais significativa em neonatos. Em gatas a mastite pode levar à ingestão de grandes quantidades de bactérias. Em todos os casos, deve-se fazer a anamnese da gata e dos neonatos. Os sinais clínicos mais comuns em infecções graves são diarréia, choro, inquietação, falha em mamar, dispnéia e cianose. Muitas vezes o primeiro sinal é a morte súbita de um dos filhotes. A abordagem terapêutica mesmo que inespecífica deve anteceder o resultado das amostras (sangue, urina, exsudato se presente e fezes) para o diagnóstico. Em caso de suspeita de sepse neonatal, a ninhada inteira deve ser tratada com um antibiótico de largo espectro, como amoxicilina com clavulanato de potássio, além do tratamento suporte padrão (CHANDLER et al., 2006). Os retrovírus mais comuns, FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina) e FeLV (Vírus da Leucemia Felina) podem ser transmitidos por via transplacentária, porém no caso da FeLV essa transmissão é inevitável e da FIV é mais raro. Os neonatos que sobrevivem à gestação de uma gata virêmica quanto a FeLV, apresentam-se permanentemente infectados e podem sucumbir a uma doença relacionada à FeLV dentro de 2 anos. O prognóstico para filhotes diagnosticados com FeLV é reservado e o diagnóstico não será conclusivo até que os anticorpos maternos diminuam e os testes de anticorpos sejam verdadeiramente positivos. Nos neonatos, independentemente da doença primária, ocorrem rapidamente hipotermia, desidratação e hipoglicemia, levando-os frequentemente a morte, portanto devem ser tratados rapidamente com tratamento suporte para tríade neonatal. (CHANDLER et al., 2006).  67  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 2.2.5 Cuidados com neonato órfão É um grave erro clínico associar a ideia de “órfão” somente àqueles neonatos que não tem nutrição da mãe e realizar seu manejo unicamente suprindo suas necessidades alimentares (DOMINGOS et al., 2008). Devem ser realizados alguns cuidados pelo médico veterinário ou pelo responsável pelo neonato quando a mãe é incapaz de realizar a limpeza do recém-nascido ou quando este não responde à típica manipulação materna (DOMINGOS et al., 2008). Os neonatos são incapazes de realizar termorregulação até duas semanas de vida (HOSKINS, 2008; PEIXOTO e BEZERRA, 2010; NELSON e COUTO 2015), ou seja, sua temperatura varia de acordo com a temperatura ambiente (BARRETO, 2003). Isto acontece em decorrência da imaturidade do sistema termorregulador (JOHSTON et al., 2001; BARRETO, 2003), pois o neonato não tem ainda o controle hipotalâmico necessário para manutenção da temperatura corporal (BARRETO, 2003; DOMINGOS et al., 2008). Outros fatores que dificultam a termorregulação corporal são: superfície corporal grande em relação ao seu peso baixo, ausência do reflexo de tremor até o sexto ou sétimo dia (BARRETO, 2003; DOMINGOS et al., 2008; LAREDO, 2009), pouca gordura subcutânea (PRATS, 2005; LAREDO, 2009) e ausência do reflexo de piloereção (BARRETO, 2003; DOMINGOS et al., 2008). Durante essa fase, o filhote depende do calor irradiado do corpo da mãe ou de uma fonte externa de calor para manutenção normal deste parâmetro fisiológico (DOMINGOS et al., 2008). A hipotermia compromete negativamente a imunidade, a digestão e a assistência materna (DAVIDSON, 2003). Frequentemente quando a mãe percebe um filhote hipotérmico tende a afastá-lo da ninhada, agravando ainda mais o seu quadro (BARRETO, 2003; DOMINGOS et al., 2008). Com a temperatura retal igual ou inferior a 35o C o filhote se torna incapaz de mamar por falta do reflexo de sucção. Aumenta-se então a frequência respiratória e diminui-se a frequência cardíaca. Como resultado da falta de aporte energético, estabelece-se a hipóxia tecidual e a acidose respiratória (PRATS, 2005). Na desidratação a fluidoterapia é vital. Em filhotes com menos de seis semanas de vida, a veia jugular pode ser a única possível para se cateterizar. Se não tiver acessível à via intravenosa, pode-se usar a via intraóssea. Deve-se usar uma agulha de calibre 18 ou 20g para administrar a fluidoterapia intraóssea, inserindo de maneira asséptica no fêmur através da fossa trocantérica, na tíbia através da tuberosidade tibial ou no úmero através do tubérculo maior. Se as vias intravenosas e intraósseas estiverem impossibilitadas, devem-se administrar  68  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 fluidos intraperitoneal, pois apesar dessa via não ter uma boa absorção, ainda é mais confiável que a via subcutânea (CHANDLER et al., 2006). Em neonatos o ideal é que a fluidoterapia seja feita através de uma bomba de infusão contínua ou através de uma equipo pediátrico com câmara de bureta para evitar o excesso de hidratação, causando danos a função cardiorrespiratória. A bolsa de fluido deve ser aquecida para evitar ou agravar a hipotermia no animal. Os neonatos são incapazes de metabolizar lactato e bicarbonato, por tanto o fluido Ringer lactato é contra-indiciado nesse período de vida. As recomendações gerais são: utilizar uma solução eletrolítica múltipla, corrigir a hipoglicemia suplementando com glicose a 5%, se houver presença de hipocalemia acrescentar potássio, aquecer o fluido ao administrá-lo, controlar a velocidade do fluido de acordo com o grau da perda (manutenção: 40 a 50mL/kg por dia, moderada: 40 a 50mL por 4 às 8h, depois reduza para 4 a 50 mL/kg por dia, choque: 40 a 50mL/kg por hora com monitoração cuidadosa), controlar assiduamente a desidratação ou a superidratação continuadas, garantir a assepsia independente da técnica de hidratação, estimular gradativamente a alimentação e hidratação do animal por vontade própria. (CHANDLER et al., 2006) Neonatos e filhotes desenvolvem facilmente hipoglicemia, devido a uma maior taxa metabólica e baixa reserva de glicogênio hepático (LAREDO, 2009). Uma vez que o neonato órfão encontra-se privado da amamentação, ele deve receber uma alimentação substituta com composição similar ao leite materno felino. São diversas as alternativas comerciais de leite substituto para uso veterinário, e de receitas caseiras para tornar o leite bovino mais adaptado às necessidades dos neonatos (DOMINGOS et al., 2008). Para evitar o quadro de hipoglicemia, foram estabelecidas algumas receitas caseiras para tornar o leite bovino mais adaptados aos neonatos felinos (quadro 2), quando as formulações comerciais não forem acessíveis (PRATS, 2005) Quadro 2: Formulação caseira de sucedâneo do leite materno para felinos:  Receita 90 mL de leite condensado 120 mL de iogurte integral 3-4 gemas de ovo 90mL de água Fonte: PRATS, 2005  69  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 O leite substituto pode ser administrado com uma seringa, conta-gotas ou com uma mamadeira compatível com o tamanho do filhote, sendo mais adequada feita com a mamadeira, pois estimula o reflexo de sucção além de diminuir o risco de falsa via. O intervalo de tempo entre a administração do subsídio lácteo é de 2 a 3 horas, podendo aumentar de acordo com a evolução do neonato (DOMINGOS et al., 2008). Os neonatos não defecam ou urinam espontaneamente. Esses reflexos são estimulados pelo ato de lambedura da mãe (BARRETO, 2003; DOMINGOS et al., 2008; HOSKINS, 2008). Este reflexo pode ser estimulado mediante suaves massagens com um pano úmido na região perianal ou abdominal (BARRETO, 2003) ou através da estimulação do ânus e da genitália externa com um cotonete úmido (DOMINGOS et al., 2008). Após a terceira ou a quarta semanas de vida, o filhote passa a apresentar um controle cortical sobre estas funções (HOSKINS, 1997; BARRETO, 2003).  Figura 1: Estimulando o neonato a urinar e defecar.  Fonte: http://pt.wikihow.com/Fazer-um-Gatinho-Defecar  3. CONSIDERAÇÕES FINAIS O acompanhamento pré-natal e neonatal, feito pelo médico veterinário, com abordagem menos generalista e atendendo as especificidades e fragilidades do neonato e da gestante é indispensável para o nascimento de filhotes hígidos e para redução dos índices de mortalidade neonatal. Portanto o conhecimento fisiológico do recém-nascido e da fase gestacional é de suma importância para os médicos veterinários.  REFERÊNCIAS FEITOSA, P. P. NÓBREGA, R. M. SOUSA, S. A. V.; BALDOTTO, S. B.; ACCIOLY, M. P.; CARVALHO, C. C. Neonatologia em Cães: Uma Revisão, Revista Nosso Clínico, Ano 11, No 61. Jan/Fev 2008. BIANCHI, M.A.F.; ANDERLEY, M.P.; CASTRO, A.P.; MAYORGA, L. F. S. P. Abordagem paracostal para laparotomia nas cesarianas em gatas, Vila Velha: Medvep, 2009.  70  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 BARFIELD D., ADAMANTOS S. Feline blood transfusions: a pinkershadeofpale In: JournalofFeline Medicine and Surgery. 13a ed. Hertford shire, 2011. p. 11-23. BARRETO, C. S. Avaliação de filhotes caninos. Botucatu: Universidade Estadual, 2003. BEAVER, B. V. Comportamento felino: Um guia para veterinários. 2a ed. São Paulo: Roca, 2005 p. 372. GROSS, K. L.; BECVAROVA, I.; DEBRAEKELLER, J. Small Animal Clinical Nutrition. 5a ed. Kansas: Mark Morris Institute, 2010. p. 401-410. BELARMINO, C. Aspectos fisiológicos e considerações nutricionais de pacientes neonatos e pediátricos caninos e felinos. Campina Grande: Universidade federal de Campina Grande: 2013. CHANDLER E. A.; GASKELL C. J.; GASKELL R. M. Clínica e terapêutica em felinos.3a ed. São Paulo: ROCA, 2006. p. 296-301. NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. 5a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015. p.1162. COVILLE, T.; BASSERT, J. M. Anatomia e fisiologia clínica para medicina veterinária. 2a ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. p. 412. CRESPILHO, A. Abordagem Terapêutica do Paciente Neonato. Botucatu: Universidade Estadual, 2005. DOMINGOS, T. C. S.;CUNHA, I. C. N; ROCHA, A. A. Cuidados básicos com a gestante e o neonato canino e felino: revisão de literatura. In: J. Bras. Cienc. Anim.v. 1, n.2, 2008. p. 94- 120. DAVIDSON, A.P. Approches to reducing neonatal mortality in dogs. In: Recent Advances in Small Animal Reproduction. New York; 2003. DAY M.J., KOHN B. Feline blood group sand blood typing In: Manual of Canine and Feline Haematology and Transfusion Medicine, 2a ed. Gloucester: Bsava, 2012. p. 284-288. FELDMAN E. C., NELSON R. W. Canine and Feline Endocrinology and Reproduction. 3a ed. Philadelphia: Saunders, 2004 p. 1104. FREITAS J.G., SILVA A.R. Diagnóstico de gestação em cadelas. In: Revista Brasileira de Reprodução Animal, v.32, 2008. p. 58-66. HOSKINS, J.D. Pediatria veterinária: cães e gatos do nascimento aos seis meses.2a ed.Rio de Janeiro: Interlivros, 1997. p. 601. JOHSTON, S.D., KUSTRITZ,M.V.R., OLSON, P.N.S. The neonate from birth to weaning. In: Canine and feline theriogenology, Pennsylvania- USA, p. 146- 147, 2001. KUSTRITZ, M.V.R. Common Disorders of the Small Animal Neonate. In: Annual Conference of the Society for Theriogenology, 2004.  71  REVET - Revista Científica do Curso de Medicina Veterinária – FACIPLAC ISSN: 2448-4571 Brasília - DF, v.4, n. 1, Mar 2017 LANDIM-ALVARENGA, F. C.; PRESTES, N. C. Obstetrícia veterinária.1a ed. LOCAL: EDITORA, 2006. p.76. LAREDO, F. Anaesthesia in neonatal and pediatric patients. In: Proceedings of the southern European veterinary conference; conreso nacional avepa. 2009, Barcelona, Spain: [see], 2009. LITTLE, S.Feline Reproduction – Part Two. In: Pharmacologic Advances in Canine and Feline Reproduction.v. 24, n. 2. Rio de Janeiro:Elsevier, 2009. p.80-85. NASCIMENTO, E. F.; SANTOS, R. L.Patologia da reprodução dos animais domésticos. 3a ed. LOCAL: EDITORA, 2011. p.73. PASTOR, J.; SILVESTRE-FERREIRA, A. C. Feline neonatal isoerythrolysis and the importance of feline blood types. In: Veterinary Medicine International. New York Hindawi, 2010. PRATS, A. Período neonatal. In: Neonatologia e pediatria: canina e felina. São Caetano do Sul: Interbook, 2005. p.30-41. SORRIBAS, C. E. Neonatologia Canina. In: Temas de Reproducción de Caninos y Felinos por Autores Latino americanos.2a ed., Buenos Aires: Gráfica Latina, 2004. TIZARD, R. I. Imunologia veterinária uma introdução. 8a ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. p. 238. FELDMAN, E. C.; ETTEINGER S. J. Text book of Veterinary Internal Medicine. 5a ed. Los Angeles: Elsevier, 2010. VAZ, R. S.; VIANNA, S. D. O.Colostro– Importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do sistema imune do neonato. Curitiba: Centro Universitário Positivo, 2012. WIEBE, J. B.; HOWARD, J. P.Pharmacologic Advances in Canine and Feline In: Reproduction Topics in Companion Animal Medicine. California: Elsevier, 2009. VERSTEGEN J. In: Text book of Veterinary Internal Medicine. 5aed.Filadélfia: Saunders 2000 p. 2355. HOSKINS, J. D. Emergency in neonatology. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF THE ITALIAN ASSOCIATION OF COMPANION ANIMAL VETERINARIAN v. 59, Rimini, Italia: SCIVAC, 2008p.255-266. CHAVES, M. S. Neonatologia em cães e gatos: Aspectos relevantes da fisiologia e patologia,Revisão de literatura e relato de caso de DiprosopoTetraoftalmo Belo Horizonte: Escola de veterinária da UFMG, 2011.